Plano de Negócio, Sistema de Gestão e Automação Comercial: chaves para empreendimentos de sucesso

A facilidade da era tecnológica traz consigo a exploração de novos caminhos profissionais, os quais são alinhavados pelo empreendedorismo. Mas, a principal causa de mortalidade das empresas, em sua fase inicial de desenvolvimento, tem sido a ineficiência de planejamento e falhas na gestão.

Em meio à demanda da globalização e aumento de demissões, muitos brasileiros buscam abrir seu próprio negócio. As razões para empreender são diversas: autonomia, independência financeira, liberdade de tempo e espaço, criatividade, bem-estar, entre outros quesitos. Entretanto, o medo de empreender – muitas vezes, por falta de dinheiro para investimentos – se faz presente independente do ramo escolhido. Por isso, torna-se fundamental criar estratégias e, além disso, é de grande importância traçar seu primeiro Plano de Negócio (PN) como também desfrutar de um bom Sistema de Gestão, afinal, é necessário mapear oportunidades e planificar gastos.

Montar um PN não é uma tarefa tão fácil, mas está longe de ser um “bicho de sete cabeças”, uma vez que existem “N” ferramentas que auxiliam o empreendedor iniciante. Os meios para estudos mais conhecidos são livros, vídeos, cursos online e revistas, ambos são alguns exemplos simples, mas que não exigem conhecimentos aprofundados acerca do assunto, tampouco demandam grandes aplicações financeiras.

E, para facilitar ainda mais, existe o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a qual é uma entidade que auxilia empreendedores a aprimorarem seus conhecimentos quanto aos processos de gestão. Eles disponibilizam cursos e documentos em PDF gratuitamente, como por exemplo: “Como Elaborar um Plano de Negócios”.

Joannes Righetto, empreendedor de sucesso do maior e-commerce de produtos de automação comercial no Brasil, Zip Automação, sugere que, ao iniciar o PN, é preciso analisar e avaliar sua ideia inicial. “O empreendedor iniciante, além de pensar o futuro da empresa precisa, primeiramente, esboçar sua atual realidade financeira. Precisa agir, mas acima de tudo, ter os pés no chão. É importante compreender muito bem seu nicho de mercado e ter olho clínico para analisar a viabilidade de seu negócio”, afirma.

Pequenos empresários necessitam dedicar tempo para criar o estilo de sua empresa, a fim de conquistar espaço no mercado solidamente. Righetto ressalta que “as ideias iniciais têm grande peso nas tomadas de decisões posteriores e são elas que favorecerão o crescimento e a elaboração do plano para que os riscos existentes tornem-se menores e, as chances de perder dinheiro, também”.

Esquematizar um primeiro Plano de Negócio exige dedicação e estudo constante, mas pensar que o mesmo deve prevalecer sem alterações é um ledo engano. “Um grande erro é manter o plano trancado na gaveta a sete chaves, sendo que na verdade, o mesmo deve ser atualizado de acordo com as demandas da empresa já em operação, porque é assim que podemos enxergar de fato quais são os pontos positivos e quais são os pontos que necessitam ser ajustados”, explica Righetto.

Outro ponto também muito importante é apostar na tecnologia, grande aliada para o crescimento de empresas, seja ela de pequeno, médio ou grande porte. E, comumente, quando a empresa está começando a dar seus primeiros passos, o maior desejo do empresário é fazer tudo com cautela, mas, ao mesmo tempo, tudo muito rápido (independente de seu ramo de atividade). Por isso, “utilizar um ERP, isto é, um Sistema de Gestão, ajuda na eficiência e rapidez operacional e gerencial do empreendimento e, em caso de loja ou mercado, por exemplo, é interessante que o “terceiro passo” seja investir em uma boa frente de caixa com gaveta, leitor, computador, nobreak e monitor”, explica Righetto.

A facilidade da era tecnológica, possibilita o uso de ferramentas simples e eficazes na elaboração do PN, o uso de Sistemas de Gestão e a Automação Comercial, alavancam crescimento e rentabilidade para empresas que visam êxito.

categoria: Empreendedorismo