Emprego temporário cresce no fim do ano e empresas já contam com serviços automatizados para gerir novos colaboradores

Junto com a expectativa de aumento nas vendas de indústrias e comércios, cresce também a oferta de vagas temporárias no Brasil, com o objetivo de suprir a demanda do período. Vagas temporárias são uma oportunidade a trabalhadores que precisam se reinserir no mercado de trabalho e até de pessoas que querem ganhar uma renda extra no período.

O trabalhador temporário tem quase os mesmos direitos e benefícios de trabalhadores com registro na carteira profissional. Entre eles, piso salarial da categoria em que trabalha, jornada de trabalho de 44 horas, pagamento de horas extras, férias, 13o proporcional, adicional noturno, FGTS, entre outros. Por isso, empregadores precisam ficar atentos para evitarem processos trabalhistas com o término do contrato temporário em 2017.

Alguns serviços automatizados podem facilitar a gestão dos novos colaboradores nessa época do ano. É o caso do ponto eletrônico, um equipamento que controla a quantidade de horas trabalhadas por cada colaborador, facilitando o fechamento da empresa e o pagamento.

O registro dos horários de trabalho (marcação de hora de entrada e de saída) de cada funcionário é obrigatório para empresas com mais de dez trabalhadores. Ele pode ser feito de maneira manual, mecânica ou eletrônica. “A última forma é a mais segura tanto para o trabalhador quanto para o empregador”, explica Joannes Righetto, diretor da Zip Automação, e-commerce especializado em automação comercial.

Geralmente, o sistema de !link ponto eletrônico http://www.zipautomacao.com.br/relogio-de-ponto já inclui o software gerenciador do ponto, que permite até compartilhar as informações com o departamento financeiro e de contabilidade da empresa. O software também possibilita ao gestor controlar os horários de entrada e saída do funcionário, incluindo intervalos, o que pode ser bastante útil para o planejamento de escalas e para a gestão de equipe em geral.

Existem ainda sistemas ERPs que proporcionam maior controle de atividades aos gestores, como de itens em estoque, pedidos, reclamações de clientes e de monitoramento do atendimento da equipe.

Outra automatização essencial para empresas é o SAT Fiscal, equipamento que permite que o estabelecimento emita notas fiscais eletrônicas. Em São Paulo, inclusive, com a publicação da Portaria CAT 108/2016, a emissão de Nota Fiscal Eletrônica torna-se obrigatória para as empresas com faturamento maior do que R$ 81 mil. Dessa forma, faz-se necessária a automação desse processo, bem como o treinamento da equipe temporária para trabalhar com o equipamento, caso o cargo exija.

Treinamento do funcionário temporário é muito importante

Não é porque o trabalhador é temporário que ele não precisa de treinamento e feedback. Quando o funcionário temporário se sente acolhido pela equipe e pelos gestores, seu desempenho é melhor.

Por isso, antes de contratar um temporário, o departamento de RH ou a equipe responsável pela contratação deve elaborar um plano de treinamento com metas claras sobre as funções a serem desempenhadas.

É importante ainda apresentar a filosofia da empresa ao temporário, explicar como é o atendimento ideal dentro dela e até o código de conduta interno, para que ele saiba como agir com outros membros da equipe, como se vestir apropriadamente, além de outros pontos.

Ter um dia de feedback por semana para esclarecer pontos em que ele precisa melhorar – e também para ouvir críticas e sugestões – é fundamental tanto para os funcionários fixos quanto para os temporários. Elogios e valorização dos resultados provenientes das atividades bem executadas por eles são pontos-chave para que desempenhem bem suas funções.

Funcionário feliz reflete no lucro da empresa

A motivação dos funcionários é muito importante para o bom desempenho deles em suas atividades. E, ao contrário, a desmotivação afeta diretamente na qualidade de trabalho de toda a equipe. Funcionários satisfeitos com a empresa sentem-se respeitados, tornando-se parceiros de negócios e aumentando, inclusive, sua proatividade. Já os insatisfeitos tendem a atender mal os clientes e não respeitar a filosofia da empresa, podendo até manchar o nome dela no mercado.

Para que isso não aconteça, a empresa precisa oferecer condições favoráveis, preocupando-se com o bem-estar das pessoas, sua capacitação, treinamento e, claro, com o pagamento de um valor justo pelas funções desempenhadas.

O bom relacionamento entre gestor e colaborador é ainda mais importante do que o salário. De acordo com uma pesquisa realizada pela Catho, 90% das pessoas que saem de uma empresa são motivadas pelo mau relacionamento com gestor e não pelo salário.

Por isso, seja temporário ou fixo, o funcionário precisa ser respeitado, ter um ambiente de trabalho tranquilo e que priorize seu bem-estar. Então, para a empresa, virão apenas os (bons) resultados disso.

categorias: Empreendedorismo, Gestão, Vendas